Sororidade entre mulheres



Sororidade entre mulheres: o que é esse comportamento e como praticá-lo?


No feminismo, sororidade é a palavra usada para falar da aliança entre as mulheres. Pressupõe deixar de lado a rivalidade feminina, algo que é visto culturalmente como uma característica das nossas relações, para estabelecer um apoio mútuo e saudável entre elas.


Afinal, será mesmo que a mulher vê sempre outra mulher como uma ameaça? Sororidade, que vem da palavra em latim "soror" (irmã), prova que não.


O termo não existe nos dicionários mas cada vez mais ganha adeptas. Nos últimos quatro anos, com a popularização de um vocabulário feminista, cresceu a busca pela palavra no Google.


O que significa sororidade?


União de mulheres, proteção, apoio mútuo em casos de violência de género. Sororidade é um termo que propõe solidariedade e empatia entre as mulheres. No livro "Sororidade - Quando a Mulher Ajuda a Mulher", a autora Paula Roschel explica que a palavra também representa "a capacidade de se colocar no lugar da outra e ver-se em outra mulher, reconhecendo nela as suas próprias forças e fraquezas - mesmo entre aquelas que não estão no seu círculo de convivência".


Como praticar a sororidade?


A prática da sororidade dá-se em vários níveis e formas. Respeitar a forma de viver de todas as mulheres, elogiá-las (quebrando o tabu de que estamos sempre a competir entre nós), apoiar o trabalho feminino, desconstruir os conceitos machistas que julgam e menosprezam outras mulheres faz parte do rol de atitudes saudáveis.


Há mulheres que se unem em coletividades ou grupos para acolher e orientar outras mulheres; isso também é sororidade. Oferecer ajuda a uma mulher conhecida ou desconhecida, tendo em vista que, numa sociedade machista, todas nós somos vítimas de opressão social, também é uma maneira de aplicar a sororidade.


Entre académicas e militantes, há uma longa discussão sobre o facto de a sororidade ser algo essencialmente feminino - que estaria em todas as mulheres - ou uma postura feminista que, para todos os efeitos, precisa de ser reforçada como uma escolha política e que reverbere na transformação social pela igualdade de géneros.


O que é sororidade no feminismo?


O senso de comunidade entre mulheres, ou seja, a sororidade, confunde-se com a história oficial do feminismo — movimento que defende a liberdade da mulher na sociedade e luta pela igualdade de géneros, direitos iguais e como tal, o fim do patriarcado como sistema social. A sororidade, por conta da popularização do termo, dialoga com o feminismo contemporâneo: afinal, com a voz das mulheres a chegar aos media, às redes sociais e em locais de decisão de poder, as conquistas femininas também são mergulhadas na prática do "Vamos juntas?". Sororidade é um dos conceitos aplicado em teorias feministas, a partir do que se conhece como segunda onda do feminismo.


Assim, ao reivindicarem presença em debates sobre questões das suas vidas, como maternidade e aborto, as mulheres também ampliaram a agenda feminista para contemplar os direitos de todas - olhando o grupo feminino como, de facto, uma comunidade.


O que é sororidade na língua portuguesa?


Sororidade não existe oficialmente em dicionários da língua portuguesa. Porém, pela sua origem, do latim "soror" (irmã), pode ser definida como o substantivo feminino que representa a união entre as mulheres.


Como usar a palavra sororidade?


Sororidade está nas redes sociais, blogs, nos media, na publicidade e nas conversas entre mulheres. Ela pode ser usada em exemplos pessoais, quando uma mulher dá apoio a outra que está a passar por alguma situação difícil - como ter sido vítima de uma violência de género. Neste caso, quem ajudou "praticou sororidade" com a outra mulher. No debate de valorização da mulher na sociedade, é comum que se ouça que "precisamos falar sobre sororidade". Esse é um ponto que une as mulheres sobre a defesa de seus próprios direitos e espaços. Isso vale para questões de maternidade, de trabalho e na vida social, por exemplo.


Quem inventou a palavra sororidade?


Não há uma inventora do termo. O que se sabe é que ele surge pela primeira vez, em uso académico, num artigo de Lia Zanotto Machado, no início dos anos 90. A sororidade é uma tradução livre da palavra sororité, usada pelas feministas francesas da geração anterior.


Quando surgiu o termo sororidade?


Sororité, em francês, surge após a Revolução Francesa ter cunhado o termo "Fraternité" (ao lado de Liberté e Egalité) como um dos seus lemas. E as mulheres? Foi com base nessa questão que se passou a usar o "Sororité" para contemplar a luta feminina por direitos e cidadania.


Nos Estados Unidos, "sisterhood" ganhava esse significado, usado por mulheres negras, religiosas. Nos anos 70, a escritora feminista Robin Mergan publica o livro "Sisterhood is Powerful" (A irmandade entre mulheres é poderosa) e consolida o uso de forma abrangente.


O que é sororidade seletiva?


Não contemplar os recortes e as diferentes vivências de mulheres - considerando tipos de corpos, idade, raça, classe, orientação sexual, identidade e expressão de género, entre outras opressões - é praticar sororidade seletiva. Ou seja, acolher apenas algumas mulheres, sem dar conta da emancipação coletiva, é ser seletiva. A atitude pode ser prejudicial ao movimento por segregar mulheres e as suas experiências.


Como Coach, também eu pratico a Sororidade, é um dos principais alicerces do feminismo, pois sem a ideia de “irmandade” entre as mulheres, o movimento não conseguiria ganhar proporções significativas para impor as suas reivindicações.